Informação para o candidato a transplante hepático

O fígado é o maior órgão do corpo humano, e tem como funções controlar, produzir, armazenar e libertar proteínas muito importantes para o funcionamento do organismo e, por outro lado, transformar e eliminar algumas substância tóxicas ou desnecessárias para o mesmo.


Embora o fígado tenha uma grande capacidade de se regenerar em resposta às agressões, há situações em que a agressão é tão grave ou tão repetida que essa capacidade é ultrapassada então o fígado entra em falência, e o indivíduo pode morrer.

Nesta situação, a única solução é um transplante hepático. Algumas doenças que podem levar à insuficiência hepática:

Cirrose - Consiste no aparecimento de cicatrizes fibróticas irreversíveis no fígado, em consequência de processos inflamatórios crónicos, que vão comprometendo progressivamente a capacidade de funcionar do órgão.

Cirrose alcoólica - A ingestão excessiva de álcool causa uma inflamação crónica do fígado que leva à cirrose. No entanto, se o indivíduo deixar de beber bebidas alcoólicas, pode verificar-se uma melhoria significativa do funcionamento hepático (a não ser nas fases muito avançadas).

Atrésia biliar - É uma doença que surge em crianças de tenra idade, na qual o sistema de canais biliares que liga o fígado ao intestino não se desenvolve. Assim, o fígado não consegue eliminar produtos tóxicos. Acaba por se produzir uma cirrose.

Hepatite - Inflamação do fígado. Pode ser causada por muitos factores, entre os quais os vírus, álcool, determinados medicamentos, etc.

Hepatite A - Inflamação do fígado causada pelo vírus A. O vírus é eliminado nas fezes e pode ser transmitido através dos alimentos, mas raramente causa insuficiência hepática.

Hepatite B - Inflamação do fígado causada pelo vírus B. Transmite-se mais frequentemente através do sangue e da via sexual. Nalguns casos infecta cronicamente o organismo, que não o consegue eliminar, podendo causar inflamação crónica do fígado e cirrose.

Hepatite C - Inflamação do fígado causada pelo vírus C. Este vírus evolui frequentemente para a inflamação crónica do fígado, sendo uma das principais causas de cirrose nos países civilizados. A sua transmissão faz-se, preferencialmente, através do sangue e da via sexual, e a progressão para cirrose costuma ser muito lenta (15-20 anos).

Doença hepática metabólica - Alguns indivíduos, devido a defeitos genéticos, nascem com deficiência em determinadas enzimas essenciais ao metabolismo de substâncias tóxicas. Assim, ao longo da infância e juventude, estas substâncias vão-se acumulando, resultando em cirrose do fígado e/ou grave disfunção de outros órgãos e sistemas.